lang
 Dr. Rafael de Barros, 625 - Paraíso
São Paulo - SP - CEP: 04003-043
Tronco chave: (11) 3059-0010
Atendimento: das 9 às 17 horas
 
Search
A A A
Estou em:   O Sindicato > Histórico
  |  Entrar

Histórico

O profissional de Educação Física é uma figura ímpar dentro do democrático contexto de levar melhoria de qualidade de vida e real cidadania ao povo brasileiro.
Através da Lei nº 9696, de 01/09/1998, a profissão foi reconhecida pelo governo como diferenciada. Tal fato, surgido à bordo da nau da justiça, fez com que a categoria se mobilizasse para ter seus próprios representantes junto à sociedade constituída.

A luta para que as evidências suplantassem os interesses de determinadas parcelas de poder, apesar de árdua, obteve êxito. No dia 01/03/2004, o Sinpefesp - Sindicato dos Profissionais de Educação Física de São Paulo, recebia o passaporte da legalidade. O passaporte que o possibilitava que toda uma classe profissional pudesse ter direito a voz e vez dentro do cenário político, econômico e social do Brasil.
Os primeiros passos foram dados dentro da mais absoluta transparência e com a devida solidez de quem quer construir um Brasil melhor e mais equânime.

Temos a mais absoluta consciência de que o patrimônio humano de nosso país deve ser cuidado em todos os seus mais variados segmentos mas, em caráter prioritário, nos de base.
Investir nas nossas crianças e em nossos adolescentes assegurará um Brasil mais saudável, mais preparado para exercer sua vocação de futura liderança global.

Muitos dos problemas sociais que estamos vivenciando hoje advém, com segurança, do enfraquecimento, nos estabelecimentos de ensino, da figura do profissional de educação física.
Como se não bastasse o Brasil têm sérios problemas de infra-estrutura que acabam sendo agentes privilegiados no aumento das falésias dentro das classes sociais.

Raros são os estabelecimentos que contam com quadra poli esportiva, por exemplo. Cobertas, então, com piso adequado à prática desportiva, a quantidade fica algo esquálida e excludente em termos sociais e econômicos.

A política adotada por governos ao longo das últimas décadas, portanto, revelaram-se inadequadas. Devemos nos preocupar com gente de todas as faixas etárias? Sem dúvida. Mas se não houver base, a raíz não alimentará a árvore viçosa que almejamos.
É assim que pensamos e é dentro dessa filosofia que pretendemos permear nossa atuação